O desemprego e os problemas financeiros não são falta de fé!

Afirmo categoricamente, contra todas as novas filosofias e teologias que apareceram nos últimos anos nos púlpitos das igrejas e nos vídeos espalhados pela internet, que o desemprego e os problemas financeiros não são falta de fé!

Conheço muitas pessoas que são cheias de Deus e do Espírito Santo, com uma fé incrível, possuidoras de diversos dons, mas em certos momentos passaram por tais privações. Mas ainda assim permaneceram pessoas alegres, contentes, que servem ao Senhor com alegria, ainda que com poucos rendimentos, são gratas a Deus, pois nada lhes falta para viver.

Eu mesmo já passei por privações. E (por incrível que pareça) elas aconteceram em momentos de grande fé e perseverança no Senhor. Realmente, o Senhor prova os que são seus, para que exale em nossas vidas a verdadeira confiança e adoração a Deus (Marcos 10:21-23).

Até para o Cristão mais fervoroso, as dificuldades podem chegar por inúmeros aspectos, ainda diante de uma perfeita integridade com Deus, ninguém está imune de passar por problemas, e o que a Palavra nos ensina é confiar e ter Paz com Deus, ainda que diante de tais problemas.

A Teologia da Auto-ajuda aliada indissociável da Teologia da Prosperidade são os falsos ensinos culpados de colocar na mentalidade popular a ideia de que passar por privações financeiras é “falta de fé em Deus” ou “ausência de sabedoria”. Não há nada mais nojento do que tamanha ofensa vinda dos “altares”.

Ora! Todas as coisas cooperam para o bem dos que amam a Deus! (Rm 8:28) Assim foi o Senhor com o patriarca Jó. Mesmo em meio a toda sabedoria e integridade que aquele servo de Deus tinha, o Senhor permitiu que sobre ele viessem as tribulações, as dificuldades e todos os maiores problemas financeiros que, na sociedade atual, fariam qualquer um “crente consumidor” da Teologia da Auto-ajuda, se desviar.

“E disse o Senhor a Satanás: Observaste tu a meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus, e que se desvia do mal.” Jó 1:8

Jó, na primeira parte da sua provação, perdeu todos seus bens e toda a sua família. Na segunda parte da sua provação, perdeu sua saúde. E na terceira parte foi acusado de falta de fé e de sabedoria, pelos seus amigos.

É isso mesmo!!! Aqueles que pregam a Teologia da Prosperidade e da Auto-ajuda são os amigos de Jó!! Que acham que possuem a sabedoria suficiente para interpretar o porquê dos problemas ocorrerem na vida dos servos de Deus, mas a verdade é que nada sabem! Pois quem é que pode conhecer a Deus e seus intentos para cada um de seus filhos??? (Romanos 11:34)

Um dos amigos de Jó, chamado Zofar, acusando Jó de falta de sabedoria muito o ofendia, chegando a dizer:

“Mas o insensato só se tornará sábio quando a cria do jumento selvagem nascer dócil e manso. Se, contudo, preparares o coração e estenderes as mãos para ele;” Jó 11:12-13

É assim que os Teólogos da Auto-ajuda agem, tratando as pessoas como tolas. Afrontando-as, ofendendo-as, como se a situação de cada uma delas fosse sempre resultado de falta de sabedoria e integridade para com Deus.

Os problemas financeiros e até mesmo o desemprego são permissões de Deus, que mesmo diante de toda a nossa fé e sabedoria humana, servem para ainda mais confiarmos que Deus tem seus intentos em cada uma de nossas provações. Portanto, não são falta de fé ou de sabedoria.

A Palavra de Deus nos manda estarmos sempre preparados para todas as provações e aflições do mundo e diante disso manter o bom ânimo. As Palavras do Senhor Jesus são bem enfáticas neste sentido, para que não nos prendamos no engodo de Satanás, por meio de falsas doutrinas:

“Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.” João 16:3

Mas, como ter bom ânimo no momento do desemprego e no momento das dificuldades financeiras, em um mundo recheado de pregações que dizem que para ser feliz você precisa ter muito dinheiro? Que para que você seja aceito deve possuir carros do ano, vários imóveis e ser bem sucedido nos negócios?

A primeira coisa a se fazer para viver em paz com Deus diante das privações, é se livrar de referidos padrões de ensino. Saber se desligar do engodo de referidas vaidades e sutilezas que só querem arrebatar o coração do homem para a adoração às coisas, erguendo ídolos no seu coração.

O verdadeiro sentido de servir a Deus nas dificuldades é pedir para que ele garanta o básico da graça que precisamos para sobreviver. E esta graça é dada a cada um pelo cuidado de Deus. Nem a riqueza, nem a pobreza, mas aquilo que Deus tem para o cuidado de cada um de nós, como disse Agur em seu provérbio:

“Duas coisas te pedi; não mas negues, antes que morra: Afasta de mim a vaidade e a palavra mentirosa; não me dês nem a pobreza nem a riqueza; mantém-me do pão da minha porção de costume; Para que, porventura, estando farto não te negue, e venha a dizer: Quem é o Senhor? ou que, empobrecendo, não venha a furtar, e tome o nome de Deus em vão.” Provérbios 30:7-9

O segredo é confiar no Senhor Jesus, em todas as circunstâncias, e meditar de dia e de noite na Palavra do Senhor, sendo forte e corajoso em meio às provações (Josué 1:9). Assim, a misericórdia do Senhor estará sempre nas nossas vidas.

Deixe uma resposta