Dispensacionalismo – as sete dispensações

o homem se desenvolveu em seu relacionamento com Deus em períodos nos quais a revelação foi se tornando a cada momento mais específica para orientá-lo para a direção da vontade de Deus.

Deus está no controle de todos os acontecimentos da humanidade, tanto por meio da vontade permissiva, como diretiva. Para entendermos as revelações para o tempo presente é necessário estudarmos o dispensacionalismo.

Esta aula é uma aula introdutória acerca do dispensacionalismo, para entrarmos no estudo da doutrina das últimas coisas (Escatologia) é necessário entendermos a ordem dos acontecimentos, a fim de sabermos como Deus ordenou e interferiu com juízo na história da humanidade para que seus propósitos para a sua Igreja e para Israel fossem cumpridos.

Não há como entendermos a escatologia sem o conhecimento do dispensacionalismo. Visto que o aliancismo, defendido por muitos teólogos reformados, não explica profundamente os juízos de Deus, sem fazer com que pensemos que Deus é mal, e agiu com juízo apenas para demonstrar que é “soberano” e fez um acordo com os “pecadores eleitos”.

Scofield nos ensina a não confundir as coisas: “Importa distinguir dispensação de aliança. A primeira é um modo de experimentar o estado espiritual do povo; a segunda, porém, é eterna, porque é incondicional. A lei não anulou a aliança abraâmica (Gl. 3.15-18), mas era uma medida disciplinar ‘até que viesse a posteridade a quem fora dada a promessa’ (Gl. 3.19-29; 4.1-7). A dispensação somente, como meio de provar a Israel, terminou com o estabelecimento e aceitação da Lei”.

Uma “dispensação”, conforme o Pr. Severino Pedro da Silva, em seu livro Escatologia – doutrina das últimas coisas, nos ensina: “é um período de tempo em que o homem é experimentado em relação à sua obediência a alguma revelação especial da vontade tanto permissiva quanto diretiva de Deus”.

O que é dispensacionalismo?

O contato de Deus com o homem sempre teve propósitos. A experiência de Deus com o ser humano sempre foi relacional. Por este motivo, o homem se desenvolveu em seu relacionamento com Deus em períodos nos quais a revelação foi se tornando a cada momento mais específica para orientá-lo para a direção da vontade de Deus.

Dispensação significa “dispensar”, “distribuir”, ou seja, é como e onde Deus em cada momento da história revela (dispensa, distribui) uma parte de sua vontade, para orientar o homem e o curso da história segundo a sua vontade, tendo isto também um sentido probatório divino, para que seja provado o caráter e a obediência do homem para com Deus. (1 Co. 9.16,17)

O estudo das dispensações, chama-se dispensacionalismo.

Quais são as sete dispensações?

São as sete maiores dispensações:

1) Dispensação da Inocência:

Teve início na criação, até a queda de Adão no jardim. O período não nos foi revelado. Juízo: expulsão do casal do Jardim do Éden (Gn. 3.24).

Leia o estudo completo: A dispensação da inocência

dispensacionalismo - inocência


2) Dispensação da Consciência (entendimento do bem e do mal):

Durou da queda do homem até o dilúvio (Gn 7.21,22). Juízo: a destruição da humanidade com água (Gn. 6.5).

Leia o estudo completo: A dispensação da consciência


3) Dispensação do Governo humano:

Iniciou-se em Gn. 8.20 e durou até a dispersão dos homens sobre a terra, consolidando-se com a chamada de Abração (Gn. 10.25; 12.1). Juízo: a dispersão dos homens pela confusão das línguas (Gn. 11:9).

Leia o estudo completo: A dispensação do governo humano


4) Dispensação da Promessa (ou Patriarcal):

Iniciou-se com a Aliança de Deus com Abraão, estende-se de Gn. 12.1 a Êx. 19.8, e já estava adstrita a um povo escolhido – Israel. Juízo: a escravidão do povo no Egito – esta dispensação durou 430 anos (Gl. 3.17)

Leia o estudo completo: A dispensação da promessa – Parte 1Parte 2

dispensacionalismo - dispensação da promessa


5) Dispensação da Lei:

Durou 1430 anos: da saída do Egito até a crucificação de Jesus. (Ex. 19.8). Juízo: cativeiro – mas o término foi a cruz. (Gl. 3.24,25).

Leia o estudo completo: A dispensação da Lei – Parte 1Parte 2Parte 3Parte 4

dispensacionalismo - dispensação da lei

6) Dispensação da Graça:

Iniciou-se com a morte e ressurreição de nosso Senhor Jesus Cristo, e terminará com o arrebatamento da Igreja. Estamos nesta dispensação, da nova aliança no sangue de Cristo. (Romanos 10.4). Juízo: a grande tribulação (Ap. 3.10).

Leia o estudo completo: A dispensação da Graça – Parte 1Parte 2Parte 3A Grande Tribulação


7) Reino (milênio):

é o último tema regular do dispensacionalismo. Ele terá duração de 1.000 anos (Ef. 1.9,10; Ap. 10.7; 11.15). Também chamada de “dispensação do governo divino”. Durante sua vigência Deus estabelecerá seu governo teocrático na terra. Juízo: “O juízo final” (Ap. 20.11-15) – será o último de todos os julgamentos divinos, e que acontecerá ao fim do reinado milenar de Cristo, para julgar Satanás e os incrédulos impenitentes.

Leia o estudo completo: A Dispensação do Milênio e O Juízo Final

milênio - dispensacionalismo

Autor: Rafael J. Dias

Pastor na Assembleia de Deus Ministério de Santos, advogado, escritor e ativista pelos direitos sociais. Formado em Direito pela Universidade Católica de Santos e em Teologia pelo IBAD. Especialista em Direito da Administração Pública pela Estácio. Pós-graduando em Liderança Pastoral pela FABAD.

6 comentários em “Dispensacionalismo – as sete dispensações”

  1. Gostei do estudo porém o sétimo não condiz com a bíblia pois ele se baseia em muita especulação sem respaldo bíblico.

    1. A Paz do Senhor, querido irmão.

      Fico muito feliz pelo seu comentário.

      Sobre a Dispensação do Reino de Cristo, ou o Milênio, recomendo a leitura das profecias dos profetas menores para Israel acerca do reinado terreno do Messias, que ainda não ocorreu.

      Além do meu conteúdo que você pode ler aqui: https://rafaeljdias.com/2020/08/08/a-dispensacao-do-milenio-e-o-juizo-final/, Também existem outras fontes seguras com base nas profecias bíblicas, como esta aqui: https://portugues.ucg.org/ferramentas-de-estudo-da-biblia/guias-de-estudo/voce-pode-entender-a-profecia-biblica/o-reino.

      Grande abraço.

Deixe uma resposta