Por que, como cristãos, somos provocados todos os dias?

Dia com Deus

Como cristãos somos tentados todos os dias a reagir à forma de pensar deste mundo, que busca nos fazer irar, nos vingar e provocar um comportamento que não condiz com o evangelho; o que devemos fazer nessa situação?

Esta pergunta me levou à primeira carta do apóstolo Pedro, mais especificamente ao capítulo 2, no versículo 11 e 12 o apóstolo escreveu:

“Amados, peço-vos, como a peregrinos e forasteiros, que vos abstenhais das concupiscências carnais, que combatem contra a alma; Tendo o vosso viver honesto entre os gentios; para que, naquilo em que falam mal de vós, como de malfeitores, glorifiquem a Deus no dia da visitação, pelas boas obras que em vós observem.”

1 Pedro 2:11-12

A primeira atenção que o apóstolo Pedro nos chama é de que somos peregrinos, ou seja, estamos de passagem por aqui. O reino deste mundo ainda não é o Reino que habitaremos eternamente, portanto, não devemos nos prender às filosofias e os comportamentos com que vivem aqueles que já estão sob o domínio do mundo.

O primeiro aviso do apóstolo é:

Não caia na tentação da carne

Que tentação é esta? É a vontade de reagir e de responder às provocações que o mundo nos faz todos os dias. Muitas das vezes tocando em nossos princípios mais absolutos, como a família, como os filhos e a própria relação que temos com o nosso Deus.

Porém quando caímos nesta tentação de reagir pela carne a essas investidas malignas, nossa alma pode ser atingida por consequências dramáticas como a angústia, a tristeza e o desespero.

Vamos lembrar que o apóstolo Pedro, antes de se converter realmente à vontade do Senhor Jesus, era um homem facilmente provocado pelas tentações de Satanás. Jesus uma vez lhe disse que Satanás conhecia suas fraquezas, assim cirandava ao redor de Pedro como ao trigo, para destruí-lo.

Pedro chegou a atacar violentamente um servidor do templo chamado Malco, que fora designado para prender Jesus. E Pedro foi avisado pelo mestre que todas as reações que temos na carne causam consequências contrárias contra nós, nas mesmas proporções.

Portanto, em meio às provocações, devemos nos manter em um nível espiritual elevado. Acima das tentações, para não cairmos nelas, pois combatem contra a nossa alma, para gerar tristeza, desespero, insegurança e fraqueza espiritual.

A maior forma de respondermos a isto, conforme escreve o apóstolo é

Andarmos honestamente conforme as obras de Jesus Cristo

Quer respondamos ou não às provocações do mundo, sempre como cristãos seremos afligidos por mentiras, por investidas contra nossos princípios e valores.

Assim, o foco é mantermos a atenção aos nossos comportamentos (andar honestamente) e não se importar com as atitudes que o mundo pratica para nos provocar, pois nós somos referência ao mundo, somos luz em meio às trevas, e não o contrário.

O resultado dos comportamentos pecaminosos do mundo não veremos se cumprir totalmente aqui. Por isso devemos combater contra o mal em nossas vidas em primeiro lugar, sem desviar a atenção, pois o que está guardado para o nosso bem, como diz o apóstolo, será revelado:

No dia da visitação

Não podemos esperar que o mundo concorde conosco, pois como disse Jesus, o mundo nos odeia.

No dia da visitação do Senhor seremos recompensados e junto com Ele reinaremos e todo o olho verá que em meio às investidas e tentações malignas para nos desviar deste foco que é o Reino Eterno, suportamos e vencemos.

Por isso não é lícito andarmos soberbamente contendendo contra o mundo, como se pudéssemos impedir as tentações e provocações que o inimigo que o governa intenta contra nós. O foco é cansar aqueles que foram salvos e fazê-los se perder pelo caminho.

Contudo, quem mantém o foco no Senhor, mesmo em meio a estas provocações e tentações, chegará até o fim e herdará a glória.

Leia-mos o que o apóstolo conclui no final deste capítulo, nos versículos 20 ao 25:

“Porque, que glória será essa, se, pecando, sois esbofeteados e sofreis? Mas se, fazendo o bem, sois afligidos e o sofreis, isso é agradável a Deus. Porque para isto sois chamados; pois também Cristo padeceu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as suas pisadas. O qual não cometeu pecado, nem na sua boca se achou engano. O qual, quando o injuriavam, não injuriava, e quando padecia não ameaçava, mas entregava-se àquele que julga justamente; Levando ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, para que, mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados. Porque éreis como ovelhas desgarradas; mas agora tendes voltado ao Pastor e Bispo das vossas almas.”

1 Pedro 2:20-25

Conclusão: somos provocados para pecarmos irrogando injúrias e ameaças

Dias com Deus, Rafael J. Dias, R. J. Dias

Que possamos permanecer sempre na vontade de Deus. Não se importando com as tentações e vãs provocações do mundo contra nós, pois o mundo já perdeu e nós já vencemos se estivermos sempre firmes com o Senhor Jesus.

Conforme o parecer final do apóstolo quem quando tentado pelas forças malignas deste mundo reage com palavras de injúrias e ameaças comete pecado, não compartilhando das boas obras que Jesus Cristo praticou, pois em tudo isso venceu apenas prosseguindo em fazer a vontade de Deus.

Autor: Rafael J. Dias

Pastor na Assembleia de Deus Ministério de Santos, advogado, escritor e ativista pelos direitos sociais. Formado em Direito pela Universidade Católica de Santos e em Teologia pelo IBAD. Especialista em Direito da Administração Pública pela Estácio. Pós-graduando em Liderança Pastoral pela FABAD.

Deixe uma resposta